• Pr. Henrique Lino da Silva

Deus restaurou

Linda Ramos Link para o vídeo:


Goiás Brasil

CHEGOU O TÃO ABENÇOADO MOMENTO DE CONTAR ESTE TESTEMUNHO, PARA HONRA E GLÓRIA DO SENHOR JESUS CRISTO.

Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem. (Mateus 19:6).

“Todo aquele que se divorciar de sua mulher e se casar com outra mulher, estará cometendo adultério contra ela. E, se ela se divorciar de seu marido e se casar com outro homem, estará cometendo adultério”. Marcos 10:11-12.

Essas palavras me confortaram e me deram paz, nos momentos em que o desespero e a solidão quiseram tomar conta da minha alma. Foram tempos difíceis, dias em que o desânimo e as angústias queriam me dominar, houve choros, gemidos, luto, muitas lágrimas… mas em tudo eu pude presenciar a mão poderosa de Deus a favor de cumprir o que está escrito nas sagradas escrituras. Conheci um pai zeloso que não dorme nem tosqueneja, que está pronto a enxugar meu pranto, que cuida daqueles que n’Ele esperam, obedecem e confiam nEle. Eu vivia um casamento “dos sonhos”. Estava casada a 7 anos, meu esposo era carinhoso, amoroso, apaixonado, tínhamos problemas sim, qual casamento não tem? Meu casamento era lindo e de causar inveja, e meu marido me completava em quase tudo. Até que tudo começou a desmoronar. Em 2012 fiquei grávida, uma gravidez planejada da minha primeira e única filha, (Linda Liz). A gravidez “dos sonhos”, meu marido me acompanhava em todas as consultas pré-natais, e eu me sentia verdadeiramente uma princesa querida, cuidada por ele. Depois que a nossa filha nasceu, exatamente no quarto mês de vida, ela começou a ter problemas de saúde. Um certo dia o meu esposo foi dar banho nela, e percebeu que ela estava um tanto quanto estranha dentro da banheira, ela repuxava um dos bracinhos. Neste momento ele me chamou e comentou a respeito. Realmente estava estranho aquele comportamento dela. A cada instante que se passava, ela repuxava o bracinho com mais intensidade. Fomos imediatamente para o hospital e o diagnóstico era de uma convulsão, a qual teve uma durabilidade de aproximadamente 55 minutos. Quando cessou aquela convulsão, senti um imenso alívio, e pensei comigo que nunca mais haveria de acontecer novamente. Com o passar dos dias as convulsões foram aumentando suas quantidades e durabilidades. Fizemos vários exames e chegamos ao diagnóstico de (epilepsia refratária, generalizada).

No dia 23 de junho de 2020 faria 7 anos de deserto e de quebrantamento, tristezas e provações! E foi nesse deserto que conheci a Deus, e a Cristo Jesus. No deserto aprendi a enxergar e ver o amor de Pai, a dobrar meus joelhos, a jejuar e principalmente a Glorificar a Deus em todas as circunstâncias. Foi nesse deserto que Deus me “destruiu” e me reconstruiu conforme a Sua vontade, Sua Palavra e Seu amor. Eu aprendi tanto, Deus foi me moldando, me ensinando, me esmagando, me amando e me fazendo mais próxima dEle, sempre pedia para ter Seu espírito de amor e paz). Meu deserto começou no ano de 2013. Meu marido que era um homem maravilhoso, carinhoso, amigo, amável, com o tempo se tornou amargo, ainda mais nervoso, duro, e foi se afastando cada dia mais de mim, eu era brava, nervosa e gostava de procurar motivos para brigar, não tinha sabedoria alguma. Nós não conhecíamos a Deus, éramos católicos não frequentantes. minha casa tinha sido construída e alicerçada sobre a areia, e veio a tempestade e levou tudo! Glória a Deus por isso. Foi nessa tempestade que Deus me encontrou, um Deus vivo, digno de Louvor e Glória. Literalmente eu estava perdida… Um certo dia, meu marido disse que não me queria mais, que nós não dávamos certo, que íamos nos separar. Briguei, chorei, esperneei, implorei, me humilhei de joelhos para que ele não me deixasse. Forma a qual eu deveria ter feito, devia ter me humilhado para Deus, e não para ele. Fiz tudo errado, fiz meu marido ter ainda mais raiva e ódio de mim, ele não queria conversar naquele momento, queria viver a vida dele, como o filho pródigo assim o fez. A culpa não era somente dele, era minha também, um casamento não chega ao fim por culpa de apenas um dos cônjuges, ambos têm sua porcentagem de culpa, um mais, outro menos… eu era contenciosa, rixosa, briguenta. Nunca fui sábia! Sempre fiz tudo para o meu bem estar, para eu ser feliz e não fazer ele feliz! Quando tudo acabou, meu mundo desabou, pensei em morrer, não pensei em me matar, mas pedia para Deus me levar, que Deus tirasse a minha vida, pois preferia morrer a viver tudo o que estava vivendo.

O meu marido me sugeriu a ir para a casa dos meus pais, eu não concordei, resolvi ir para casa da minha irmã em outra cidade, ele disse que levaria a nossa filhinha para a mãe dele em Goiânia para ela estar cuidando. Resolvi ir para casa da minha irmã, eu estava muito confusa e preocupada com tudo que estava acontecendo com a nossa filha, e também com o meu casamento, era um momento ao qual a tristeza tomava conta do meu ser. Com mais ou menos uma semana que eu estava na casa da minha irmã, entrei em contato com meu esposo e pedi a ele para eu estar voltando para casa, mas ele não quis e nem concordou, ele estava irredutível e decidido que não tinha mais volta, aguardei mais uns dias, e quando completaram mais ou menos um mês que eu não via a nossa filha, resolvi ir até a casa da minha sogra para vê-la. No final de semana que eu cheguei à casa da minha sogra, o meu marido também foi para lá, conversamos, novamente disse a ele que eu queria voltar para casa, foi quando ele me disse que já estava com outra pessoa, e que não tinha mais nada entre nós dois, “a fila anda”. Chorei bastante, fiquei muito mal, exausta, e extremamente sem forças. Eu tentava resolver toda aquela situação com as minhas próprias mais e forças, tudo em vão, tudo em vão mesmo! Pedi a ele que terminasse esse relacionamento, e que ficasse comigo e a nossa filha, ele disse que não, que não tinha como, pois ela era uma mulher de família e também evangélica. E afinal ele já tinha um compromisso com ela.

Fiquei alguns dias na casa da minha sogra juntamente com a nossa filha, ele tinha ido embora para a cidade a qual residia. De vez em quando conversávamos pelo celular, e eu sempre tentava fazer com que ele deixasse eu voltar para casa, todavia, isso não ocorreu. Resolvi pegar a minha filha e ir embora para casa da minha irmã.

Deus me levou ao pó, no fundo do poço, mal sabia eu que estaria sofrendo ainda mais a partir daquele momento… Glória a Deus! Deus me libertou de muitos pecados nesse tempo, foi me mostrando que Ele era um Deus vivo, soberano e que tem o poder sobre todos e tudo nessa terra. que Ele era comigo em todas as circunstâncias, boas e ruins! Passei a ser cristã, me converti e me batizei. As lutas só aumentavam ainda mais. Não foi fácil o processo de conversão e quebrantamento, com ninguém será.

Assim que eu voltei para casa da minha maninha, iniciou-se um processo de depressão, uma tristeza profunda, algo que doía no fundo do meu ser e da minha alma. Eu não sentia vontade de fazer nada, nada mesmo. Recusei a tomar qualquer tipo de medicamento depressivo, não entrava na minha cabeça o fato de ter que tomar remédios para depressão, a minha filhinha já tomava muitos medicamentos controlados, e eu disse para mim mesma que quem iria me curar seria o Senhor, e assim Ele o fez, o problema de depressão passou, mas a tristeza sempre estava dentro de mim, e eu sempre procurava forças em Deus para continuar lutando pela minha família, e pela cura da minha filhinha.

No ano de 2015 fui pesquisar por pregações e materiais sobre restauração de casamento, orava ao Senhor para que colocasse no meu caminho uma autoridade espiritual para me ajudar no problema familiar, ao qual estava passando no momento. Encontrei alguns vídeos referente à casamento e divórcio, no canal Ministério Atalaia de Deus, assisti todos eles. Assim que assisti esses vídeos, resolvi ligar no Ministério para pedir ajuda, liguei e fui atendida pelo pastor Henrique Lino, disse a ele que eu estava à procura, e precisava de uma autoridade espiritual, ele me perguntou se eu era casada no papel, se eu e meu esposo estávamos em primeiro casamento, afirmei que sim. O pastor Henrique Lino também perguntou se eu havia assistido os 10 vídeos do canal, também havia respondido que sim. Contei um pouco da minha história, e principalmente a respeito do problema e situação da minha filhinha, pois a minha luta maior naquele momento era com ela, devido as muitas convulsões que me aterrorizavam. O pastor Henrique Lino me orientou a me santificar, abandonar todo tipo de pecado e pecadinho na minha vida, todos os pecados sem exceção de nenhum… viver e obedecer a palavra de Deus, pois sem santificação ninguém verá a Deus… e a mulher “santa” santifica o marido. Me orientou a reconhecer todos os meus erros, pedir perdão a Deus e mudá-los conforme a palavra de Deus estabelece. Eu orava dia após dia, para que o Espírito Santo me mostrasse os meus erros e pecados, fui vendo o quanto eu era suja, imunda e não merecedora de nada da parte do Senhor, era uma mundana, hipócrita e cega! Quanto mais eu confessava pecados e os abandonava mais lutas e afrontas eu tinha com a minha filha, a qual era uma criança especial.

A minha filha que tinha uma convulsão a cada 15 dias, as mesmas foram aumentando… uma convulsão a cada semana, uma a cada 3 dias, passou a ter convulsões todos os dias, consequentemente de 3 a 13 convulsões por dia, as mesmas com duração de até uma hora e meia, e muitas daquelas convulsões somente cessavam com medicações venais, ela tinha convulsões dormindo e eu já não dormia mais, apenas cochilava durante a noite. Íamos pelo menos uma vez por semana à UTI e permanecíamos lá até a sua melhora.

Me ocorreu uma vez que, a nossa filha teve 113 convulsões em apenas um mês. Eu tenho um caderninho ao qual eu anotava tudinho, todas aquelas convulsões, pois o médico pedia que eu anotasse todas elas para controle e assim repassasse a ele. Meu Deus, nem gosto de recordar, o quanto me foi doloroso toda aquela situação… não desejo nada disso que vivi a ninguém, não mesmo. Minha filhinha fazia uso de vários medicamentos. Toda vez que as convulsões aumentavam, o médico acrescentava outra medicação controlada, e a minha pequenininha que um dia chegou a falar, num certo dia não falava mais, andava e deixou de andar, quanto mais convulsões ela tinha, mas debilitada ela ficava… O neuropediatra chegou a fazer o pedido de cadeira de rodas, mas literalmente eu nunca consegui colocá-la na mesma, com a ajuda financeira de algumas pessoas queridas, providenciamos um carrinho especial, ao qual ela era apaixonada e gostava bastante, fizemos uso do mesmo e não dá cadeira de rodas. Uma das medicações que nossa filhinha fazia uso, tinha a sua composição a base de maconha, (CANABIS SATIVA) medicamento ao qual era exportado dos Estados Unidos, na época com valor de r$ 1400, o qual ela precisava fazer o uso por duas vezes ao dia. A partir do momento que ela começou a fazer uso deste medicamento, ocorreu algumas melhoras, diminuindo assim aquelas assustadoras convulsões. Para quem tinha até 113 convulsões em 1 mês, com o medicamento ela chegou a ficar 21 dias sem nenhuma delas. Neste momento pensei que nossa filhinha iria ser curada… Como todo medicamento que ela tomava, e a partir do momento que o organismo se acostumava com o mesmo, consequentemente as convulsões retornavam e vinham com mais intensidade, eu vivi isso por 5 longos anos.

Relacionado ao meu casamento o meu esposo chegou a pedir o divórcio. Recebi o pedido do mesmo no dia do meu aniversário, que presente legal, né… se não me engano foi no ano de 2015, cheguei a comparecer nesta primeira audiência, na cidade a qual o meu marido residia. Não tivemos nenhuma conciliação de guarda ou divórcio neste dia, o meu marido não estava muito bem, apresentava um pouco nervoso e alterado, e assim o juiz deu por finalizada a audiência de conciliação. Na segunda audiência eu não compareci e também não tinha interesse em acionar divórcio, pois o que Deus me odeia também tenho e preciso odiar, esse é o meu pensamento. O meu marido ficou furioso com essa minha atitude. Na terceira e última audiência compareci, juntamente com o casal de pastores da congregação a qual eu fazia parte, aos quais eu sou muito grata pelo apoio e acolhimento nesta época tão turbulenta e dificultosa, são eles: pastor Divino Tomás e sua esposa Édula. Quero também agradecer a minha querida amiga Fran, que sempre me ouvia e me ajudava com suas palavras, naqueles momentos tão turbulentos!!

Nesta última audiência de conciliação e divórcio, aconteceu o tão insistente e esperado divórcio da parte do meu esposo e da mulher a qual estava ao lado dele. Eu orientada pelo pastor Henrique Lino, não concordei e nem assinei divórcio, todavia deixei claro ao promotor e a juíza presente que não assinaria, mas que a juíza poderia ficar à vontade se quisesse assinar, eu somente não queria estar compactuando com tal atitude que é abominável pelo Senhor. Como me foi difícil estar presente naquela audiência, presenciando o meu marido com aquela mulher, a qual ele disse que estava forçando-o a se divorciar.

Consequentemente depois do divórcio, continuei com muitas lutas com a nossa filhinha e as convulsões, muitas idas e vindas a hospitais, internações e uma tremenda dificuldade financeira para custear todo o tratamento dela, sou imensamente grata a Cristo Jesus, porque todas as minhas necessidades foram supridas neste deserto abençoado. Literalmente o Senhor me ensinou a contentar-me com o pouco, me ensinou a viver bem, mesmo passando necessidade, glória a Deus!! Nesta época bloqueei o meu marido, me afastei das redes sociais, eu sofria muito em ver aquela alegria falsa estampada no seu rosto do ao lado daquela mulher, só o Senhor sabe…

Na segunda quinzena do mês de julho, em 2015, o meu esposo veio buscar a nossa filhinha para passar férias juntamente com ele. Nestes 15 dias, senti que o meu casamento seria restituído. No dia ao qual ele pegou a nossa filha, ele pediu o meu contato de WhatsApp para que fôssemos conversando a respeito da nossa filha, achei estranho, falei com o pastor Henrique Lino e ele disse que poderia passar o contato. No mesmo dia ele me chamou no WhatsApp e falamos um pouquinho sobre a nossa filha, e no decorrer dos dias ele foi enviando fotos da nossa filha, dizia que ela estava muito bem, realmente era bem visível no semblante dela tamanha alegria e felicidade, meu marido continuou enviando fotos e falando comigo pelo WhatsApp. Na véspera de meu esposo trazer a nossa filha para casa, ela passou mal com uma crise convulsiva de longa duração, e infelizmente ela veio a óbito por volta de 11 horas da noite. Fiquei em torno de 15 dias trancada no quarto, depois do falecimento da nossa filha, eu não sentia vontade de nada, não queria fazer nada, e nem conversar com ninguém, eu somente orava e pedia pela misericórdia do Senhor, por tamanha dor que eu estava enfrentando… e, no fundo, no fundo do meu ser, eu sabia que eu precisava passar por tudo aquilo.

No dia que meu marido pegou a nossa filha, esse foi o último dia que vi a nossa filhinha viva. Deus me deu, Deus tomou, bendito seja o nome do Senhor!!! Glória a Deus. Eu aprendi a glorificar o nome de Deus a todo momento, principalmente nos momentos turbulentos, tristes e angustiantes, momentos aos quais era somente eu e Deus. No deserto Deus tira todas as pessoas ao seu redor, nos mostrando que somos completamente dependentes dEle, e de mais ninguém. Ele realmente queria tirar alguns “carrapichos”, trocar o coração de pedra e colocar um coração de carne em mim, tirar todo o lixo! Passei alguns anos angustiantes, aos quais a minha vontade realmente era morrer… Não sei o que seria de mim se não fosse o Senhor, enviando o pastor Henrique Lino, e a minha amiga Francine, que por vezes me deram “colo”… Henrique Lino me deu o seu ombro amigo de “paizão na fé”, para que eu chorasse, desabafasse e murmurasse. Nos primeiros anos, por muitas vezes eu pensava em desistir, sempre que vinha estes pensamentos, eu dava um jeitinho e ligava para o pastor Henrique Lino, e ele brigava comigo, puxava a minha orelha, chamava a minha atenção, e dizia para não olhar para as circunstâncias e os problemas aparentes, que olhasse para Cristo e a palavra de Deus, pois ela não voltaria vazia. O marido é seu, o casamento é seu, se ele não voltar, infelizmente não há outra alternativa, senão o Senhor o levar. Confie filha! Como eu sou grata ao pastor Henrique Lino!!

Depois do falecimento da nossa filha, o meu marido sumiu, não tínhamos nenhum tipo de contato, o que para mim era um alívio, eu ficava muito mal toda vez que ele aparecia para buscar a nossa filha. Troquei de número e não queria mais saber do meu esposo, queria Deus, me encher de toda Tua palavra, santidade e virtude. Nos últimos anos eu descansei no Senhor, tinha mais tempo para estar buscando o reino dos céus e a sua justiça, e também a minha santificação. Foi realmente nesta época que comecei a viver a palavra de Deus e não somente conhecê-la. O pastor Henrique Lino, como de costume, uma vez por semana me ligava e perguntava: E aí minha filha está tudo bem com você, alguma novidade? _E eu respondia que estava tudo bem, graças a Deus estava tudo tranquilo. Às vezes eu dizia a ele que ficaria feliz se o meu marido aparecesse, ou até mesmo desse um sinalzinho de vida. Eu dizia a ele que estava vivendo um momento tão calmo, tão tranquilo, era tanta paz, que ficava até preocupada com toda aquela paz que eu estava vivendo a qual eu sempre pedia a Deus. No início do meu deserto o que eu mais pedia ao Senhor era que me desse essa paz, essa tranquilidade. Literalmente o Senhor me concedeu, como eu estava grata… foram momentos desesperadores que vivi com a nossa filhotinha no início do deserto. Perguntei ao pastor Henrique Lino se era normal toda aquela calmaria, eu por vezes achava estranho. E ele sempre me respondia que era normal, pois Deus, não age em meio a bagunça, temos um Deus de paz, calmaria e não um Deus de confusão. No penúltimo ano do meu deserto, foi quando eu literalmente entreguei tudo nas mãos do Senhor, eu não mais fazia aquelas orações desesperadoras querendo meu marido de volta, buscava mais por santificação e orava por mim. Como o pastor Henrique Lino sempre dizia: Orando por você, orando pela sua vida, automaticamente seu esposo será alcançado, porque ambos são uma só carne, um só espírito… e foi assim que eu agia nestes dois últimos anos de deserto. Eu procurava me encher de Deus, da palavra de Deus, de vez em quando orava direcionado ao meu casamento e ao meu esposo. Me recordo que uma das últimas orações que fiz relacionada ao meu casamento foi: Senhor, peço que faças a Tua vontade em relação o meu casamento, e não faça a minha vontade, quero dizer Senhor… que a minha vontade é a restauração do meu casamento com meu esposo que está vivo. Eu sei que não posso me casar novamente enquanto meu marido estiver em vida, mas quero pedir Senhor, que a minha vida conjugal seja restituída, da forma que Tu queres. Me descansarei no Senhor… aguardarei o momento de estar com meu marido, ou com outro que não sejas ele. Não irei me relacionar com outro homem enquanto meu marido estiver vivo. faça a Tua vontade, e não a minha! Essa foi uma das últimas orações que fiz, 3 anos se passaram sem nenhuma notícia do meu esposo. O senhor trabalhou grandiosamente na minha vida e no meu caráter. já não me doía, nem me machucava mais, ver fotos do meu marido nas redes sociais, literalmente eu estava liberta das afrontas de satanás.

Neste ano de 2020, no mês de maio, alguns dias antes do meu aniversário, pedi da parte do Senhor um sinal, sei que não precisamos de sinais, sei também que a palavra de Deus é infinitamente suficiente. Mesmo assim pedi que o Senhor me desse um sinal referente a restauração do meu casamento, algo que viesse da parte do meu marido ou de seus familiares. Três dias antes ao dia do meu aniversário, recebi 3 solicitações de amizades no Facebook: A minha cunhada, a minha sogra e por último o meu esposo. Não aceitei nenhuma das solicitações, não tinha amigos no meu Facebook até o momento, pois tive grandes problemas referente a redes sociais, alguém que fazia perfis falsos em meu nome e também no nome de minha filha, a certa pessoa se passava por mim, e tentava denegrir a minha imagem, chegando a colocar meu número e minhas fotos em sites de relacionamentos… por dias recebia várias mensagens de homens/ mulheres/casais etc… para marcarmos encontros, como se eu fosse um garota de programa.

Bem, logo após a solicitação de amizade a qual o meu marido enviou-me, ele fez um comentário em uma postagem que fiz no meu Facebook, da seguinte forma: Preciso falar com você urgente! Entre em contato no meu WhatsApp, e deixou o número do seu WhatsApp para entrar em contato, com ele. Continuei em silêncio, não respondi e nem cheguei entrar em contato com ele, eu tinha dito ao Senhor que não mais iria colocar as minhas mãos, nem iria mover um dedo para ter o meu marido de volta, eu tinha certeza que Deus estava no controle de tudo, e aceitava a sua vontade e correção… Conforme as coisas iam acontecendo, eu ia comentando com o pastor Henrique Lino, e ele me orientando… embora eu sabia o que ele iria me dizer o que fazer, mesmo assim, eu o perguntava se estava fazendo corretamente, e ele dizia que sim, eu estava. No dia 7 de maio, três dias após o meu aniversário, o meu irmão enviou-me um áudio no WhatsApp, dizendo que o meu marido estava pedindo o meu contato, e que precisava falar comigo. O meu irmão queria saber se podia passar o contato, e eu respondi que tudo bem, poderia passar. Não demorou muito, o meu marido ligou, 4 vezes seguidas, na quinta alternativa de ligação, eu o atendi. Ele me ligou chorando e quebrantado, pedindo perdão por ter me feito sofrer tanto, confesso que tive que me conter para não chorar, tentei acalmá-lo. Eu o disse que o perdoava, que eu tinha um coração perdoador, que poderia ter a consciência tranquila e ficar em paz consigo mesmo. Ele disse que estava no fundo do poço, tudo que ele fazia não obtinha êxito, que o relacionamento ao qual ele estava tinha acabado, tudo que ele fazia não dava certo, que estava quase cometendo suicídio. Meu Deus, como eu fiquei preocupada com ele! Me disse que uma suposta mulher falou a ele, que se eu estivesse orando por ele nada daria certo na vida dele. Perguntou se eu ainda orava para que ele voltasse para mim… E eu respondi que por anos eu orei por ele e a restauração do nosso casamento, e que nos últimos anos entreguei ele nas mãos de Deus, e que fosse feita a vontade do Senhor em nossas vidas. Eu tinha certeza que jamais poderia me relacionar com outro homem enquanto ele estivesse vivo, sendo assim, eu estava aguardando a vontade do Senhor, com a restauração do meu casamento com o meu esposo em primeiro lugar, ou então, a minha restituição conjugal com outro homem, mas somente se o meu marido não estivesse vivo aqui nesta terra. Depois que eu disse isso a ele, meu esposo pediu orações, disse que precisava de muitas orações, pois a suposta mulher disse que eu seria a única pessoa que poderia ajudá-lo, naquele momento depressivo. Eu disse a ele que estaria orando e que ele ficaria bem, que ele orasse ao Senhor para que fosse feita a vontade dele em sua vida. Ressaltando que, o meu marido estava fazendo campanhas para que a outra mulher voltasse para ele, e conforme ele fazia essa suposta campanha, o Senhor fazia com que o meu marido pensasse cada vez mais em mim e na sua família. Passou alguns dias ele me ligou novamente, conversamos um pouquinho e ele disse que queria a família de volta, perguntou-me se seria da minha vontade também de estar com ele novamente… Eu respondi que queria somente a vontade do Senhor na minha vida. A partir deste momento, todos os dias conversávamos um pouquinho. Logo ele quiz me ver, marcar um encontro. Conversei com o pastor Henrique, e ele disse que poderíamos marcar o encontro em um local público, marcamos e conversamos, todavia o meu esposo não se contentou apenas em conversarmos… Ele unsistia para que ficássemos juntos, queria ir para minha casa, ele não mais queria ficar sozinho e sem a minha presença. Eu disse a ele que não poderia passar daquilo que o pastor Henrique Lino havia me orientado, mas, como o meu esposo é cabeça dura, chegou a me dizer que se ele falasse com o pastor Henrique, ele autorizaria que ficássemos juntos. então naquele momento ele ligou para o pastor Henrique Lino, perguntou se ele poderia ir para minha casa, pois eu não queria aceitar, pois estaria passando por cima da autoridade dele. O pastor perguntou a ele se já havia resolvido a questão com a outra mulher, e o meu esposo disse que sim, que acabou que me queria de volta… consequentemente o pastor Henrique Lino autorizou e o meu marido foi para minha casa, ele ficou lá alguns dias e fomos conversando, na primeira noite fomos dormir já era 5 horas da manhã, rsrsrs…. literalmente era muita coisa para conversar. As vezes peço para que meu marido me belisque, para que eu tenha certeza se realmente estou sonhando, ou se tudo que estou vivendo é realidade. Obrigada Senhor!!!! Depois desse dia não nos separamos mais, meu marido já se mudou da cidade e casa a qual ele estava morando, colocou a casa à venda, iremos comprar uma casa para darmos continuidade aos propósitos que o Senhor tem para nós. Meu esposo está buscando o reino dos céus e a sua justiça, fiz que quer pregar o evangelho de Cristo, hoje ele ora, jejua, lê a palavra para mim… Ele diz que me ama, e que sempre me amou… Que o relacionamento que Ele viveu, foram demônios que entraram na vida dele. Está se esforçando para me amar como Cristo ama a igreja. Literalmente ele quer viver a palavra de Deus, e eu vejo e percebo que ele está no caminho correto. É com imensa alegria que eu digo tudo isto. Sei que a luta ainda não acabou. Contrapondo-se a banalização do matrimônio gostaria de oferecer aos casais razões fundamentais, porque não deve desistir do casamento: O casamento é uma relação instituída por Deus e segundo as Escrituras não deve ser extinguido por qualquer motivo. (Mateus 5:31-32, 19:3-0, I Coríntios 7:10-16, Hebreus 13:04) Não existem casamentos perfeitos, pelo fato de que não existem pessoas perfeitas, portanto, a desculpa, que a sua relação com o seu cônjuge não é boa pelo fato de que o seu parceiro é complicado é absolutamente equivocada. A Imperfeição faz parte da nossa natureza caída e pecaminosa e todos nós, independentemente da cor de pele, raça, nacionalidade e sexo nos enquadramos nesse conceito. Isto posto, deixe essa “desculpa” de lado e siga em frente lutando pelo seu matrimônio.

Continuo lutando para que os propósitos do Senhor sejam cumpridos, na minha vida, na vida do meu esposo e no meu casamento! O meu sentimento neste momento é de gratidão!

Muito grata Senhor!!

Se você está passando por problemas na sua vida espiritual, familiar, profissional, sentimental, com filhos em situação de risco, envolvimento com drogas, ou em processo de separação, divorcio, traído(a) abandonado(a) entre em contato conosco.O Ministério Atalaia do Evangelho de Deus está a sua disposição para aconselhamento, oração, e interseção e orientação, e cobertura espiritual. Visitem nosso site www.atalaiadedeus.com.br – O Ministério Atalaia do Evangelho de Deus tem como objetivo levar a Palavra de Deus. Trabalha voluntariamente com assistência as famílias, para restaurar casamentos e orientação espiritual a todo aquele que necessita de uma Palavra de cura, salvação e libertação. Esse Ministério tem obedecido ao chamado do Senhor, venha fazer parte desse trabalho com sua oração.

©2020 por Ministério Atalaia do Evangelho de Deus.

Siga-nos nas redes sociais!

  • Facebook ícone social
  • Twitter ícone social
  • Instagram