top of page
  • Foto do escritorPr. Henrique Lino da Silva

Vivem em práticas semelhantes



“Portanto, és indesculpável, ó homem, sejas quem for, quando julgas, porque a ti mesmo te condenas em tudo aquilo que julgas no teu semelhante; pois tu, que julgas, praticas exatamente as mesmas atitudes. Mas nós sabemos que o julgamento de Deus é de acordo com a verdade contra os que praticam tais ações. Deste modo, quando tu, um simples ser humano, os julga e, todavia, praticas os mesmos atos, pensas que de alguma forma escaparás ao juízo de Deus? Ou, porventura, desprezas a imensa riqueza da bondade, tolerância e paciência, não percebendo que é a própria misericórdia de Deus que te conduz ao arrependimento? Entretanto, por causa da tua teimosia e do teu coração insensível e que não se arrepende, acumulas ira sobre ti no dia da ira de Deus, quando se revelará plenamente o seu justo julgamento. Deus retribuirá a cada um segundo o seu procedimento. Ele concederá vida eterna aos que perseverando em fazer o bem, buscam glória, honra e imortalidade. Por outro lado, reservará ira e indignação para todos os que se conservam egoístas, que rejeitam a verdade e preferem seguir a injustiça. Ele trará tribulação e angústia sobre todo ser humano que persiste em praticar o mal, em primeiro lugar para o judeu, e, em seguida, para o grego; porém, glória, honra e paz para todo aquele que perseverar na prática do bem; primeiro para o judeu, depois para o grego.  Porquanto em Deus não existe parcialidade alguma.” (Romanos 6:1-11)

Todos os que se dizem cristãos, ou evangélicos, e que gostam de julgar as pessoas, as  acusar, mostrar os seus erros, sendo que elas mesmas vivem em práticas semelhantes ou até mesmo piores, jamais escaparão do castigo e condenação eterna. Entendam, o cristão legítimo, verdadeiro, tem o dever de julgar, mesmo porque nós iremos julgar os anjos, mas, antes de tudo, é necessário vivermos em obediência, na prática do Evangelho. Não é pelo fato de eu não cometer um determinado tipo de pecado que isso me dá o direito de julgar quem o pratica, se eu cometo outros. Por exemplo: não tenho autoridade e nem posso condenar o pecado do homossexualismo se eu apoio e concordo com o divórcio, ou se vivo em fofocas, mentiras, desonestidades, em extorsões e estelionatos vários, porque não existe um pecado mais grave do que o outro, o que existe é somente o pecado. Portanto, não há desculpa para esses que se dizem religiosos e vivem acusando as pessoas de pecados, e elas mesmas vivendo em algum, é necessário elas tirarem as traves dos seus olhos para poderem tirar os ciscos dos olhos dos outros.

       “Pois todos os que sem a Lei pecaram, sem a Lei também perecerão; e todos os que pecarem sob a Lei, pela Lei serão julgados. Pois, diante de Deus, não são os que simplesmente ouvem a Lei considerados justos; mas sim, os que obedecem à Lei, estes serão declarados justos. De fato, quando os gentios que não têm Lei, praticam naturalmente o que ela ordena, tornam-se lei para si mesmos, muito embora não possuam a Lei; pois demonstram claramente que os mandamentos da Lei estão gravados em seu coração. E disso dão testemunho a sua própria consciência e seus pensamentos, algumas vezes os acusando, em outros momentos lhe servindo por defesa. Todos esses fatos serão observados na humanidade, no dia em que Deus julgar os segredos dos homens, por intermédio de Jesus Cristo, de acordo com as declarações do meu Evangelho.” (Romanos 6:12-16). Temos que observar que, se não formos praticantes da lei de Deus, do Evangelho de Jesus Cristo, com certeza iremos padecer, pois o que importa são os nossos atos, nossas ações, e não a nossa religiosidade. Precisamos conhecer mais sobre o Senhor e viver em conformidade com a sua Palavra, porque não é por muito falar, cantar, orar, ou ir a templo que seremos salvos, e sim pela demonstração do nosso amor a Cristo, e isso só acontece com a nossa obediência a Ele. Ter uma Bíblia, ou ler a Bíblia, não nos torna cristãos, o que é necessário fazer é obedecermos, é praticarmos, porque, caso contrário, iremos padecer por toda a eternidade, não teremos escapatória. Muitas pessoas que às vezes não estão dentro de templos, mas vivem na prática do Evangelho, serão salvas, e outras que estão dentro dos templos, inclusive no altar, irão padecer por toda a eternidade. “Ora, tu que levas o nome de judeu, e te fundamentas na Lei, e te glorias em Deus. Tu que conheces a vontade de Deus e aprovas as obras excelentes, porque és instruído pela Lei. Tu que estás certo de que foi chamado para ser guia de cegos, luz para os que estão na escuridão, mestre dos ignorantes, professor de crianças, porquanto têm na Lei a expressão maior do conhecimento e da verdade. Pois então, tu que tanto ensinas a outros, por que não educas a ti mesmo? Tu, que pregas que não se deve furtar, furtas? Tu, que ensinas que não se deve cometer adultério, adulteras? Tu, que abominas os ídolos, mas lhes roubas os templos? Tu, que te orgulhas da Lei, desonra a Deus, desobedecendo à própria Lei? Pois, como está escrito: “Por vossa causa, o Nome de Deus é blasfemado entre todos os povos!” (Romanos 6:17-24).

 Leiam e pratiquem a Bíblia, mais especificamente o Novo Testamento.

Que Deus os abençoe.

Um abraço,

Pr. Henrique Lino

 

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page