top of page
  • Foto do escritorPr. Henrique Lino da Silva

Testemunho de Restauração de Casamento de Dayanne Matos das Chagas




Hoje, dia 25 de maio de 2021 as 11 horas e 24 minutos, começo a vos escrever meu testemunho de restauração. Começo hoje porque não quero deixar de fora pontos relevantes quanto a tudo que passei e estou passando neste deserto de restauração, pois irei precisar lembrar de datas e momentos importantes.

Sou Dayanne Matos das Chagas, tenho hoje 28 anos e casei-me no dia 27 de julho de 2016. A época eu havia acabado de completar 24 anos, pois meu aniversário é dia 18 de julho. Meu esposo Lucas tem hoje 30 anos. Quando nos casamos ele tinha 25. Somos do estado do Pará.

Começo contando um pouco sobre o início do nosso relacionamento. Eu já o conhecia há um tempo e após pouquíssimo tempo de relacionamento noivamos e nos casamos. Posso dizer que a princípio eu não tinha muita noção da responsabilidade que era ser uma esposa. Mesmo frequentando igrejas evangélicas desde pequenos, meu esposo não era cristão de verdade e muito menos eu, apesar de aparentemente eu ser uma pessoa sensata aos olhos de todos, pois sempre viram meu esposo como festeiro e mulherengo enquanto me viam como uma garota que estudava e era mais caseira, pensavam dessa forma antes de nos casarmos. Na verdade, as coisas para nós dois foram difíceis desde o começo pelo fato de Lucas ter sido diagnosticado com bipolaridade (transtorno afetivo bipolar) e por ter problemas com o vício das drogas, mais especificamente a cocaína. Lembro-me que ele foi internado em uma clínica de reabilitação 8 dias após nosso casamento para tentar lutar contra o vício e termos um bom relacionamento. Essa decisão partiu dele. Os pais dele não sabiam do envolvimento dele com as drogas ou suspeitavam mas não tinham certeza e souberem de fato por mim após uma briga que nós tivemos um pouco antes de casarmos, pois devido as drogas e ao fato de eu querer mudá-lo a força nós brigávamos muito, muito mesmo. Ele me contou sobre o problema dele logo após o noivado. Fiquei surpresa pois Lucas é um rapaz trabalhador, estável financeiramente, de boa aparência e inteligente. Não imaginava que as atitudes estranhas que ele tinha eram por conta das drogas. Fiquei triste ao descobrir mas me prontifiquei a ajudá-lo. Antes disso já passávamos muito tempo juntos pois eu o acompanhava a inúmeras consultas e tentava ajudar no tratamento dele. Praticamente fomos logo morar juntos ainda no noivado que durou cerca de 2 meses. Eu o via sofrer bastante, pois os medicamentos dele eram muito fortes e uns tarjas pretas.

Após nos casarmos fomos morar em um apartamento no prédio do pai dele e o que já era ruim ficou pior. As brigas aumentaram e eu tinha muita raiva dele por não mudar. Eu me achava superior a ele por eu não ter problemas com vícios ou qualquer outra coisa e culpava ele por estar naquela situação. Sempre que eu podia ou tinha oportunidade eu jogava na cara dele todos os nossos problemas e colocava a culpa nas drogas sendo que na verdade muitas vezes ele nem estava usando e apenas estava tendo crises de abstinência, o que eu passei a entender somente depois. Eu ajudava sempre que podia, tentava agradá-lo mas era extremamente rixosa enquanto esposa sempre que suspeitava que ele poderia estar se drogando. Eu sofria muito pois mesmo tentando demonstrar amor pelo meu marido eu o tratava mal. Errava mesmo querendo acertar. Era muito triste viver ao lado de uma pessoa que se mata aos poucos. Eu não tinha um pingo de sabedoria para lidar com a situação. Orar eu até orava mas sempre colocando-me em posição de esposa sofrida e não reconhecia meus erros também. Após uns 3 meses de casamento eu comecei a pensar com frequência que meu esposo não me amava e que eu também não o amava e que teríamos casado sem pensar muito bem ou por empolgação da parte dele. Eu comecei a não me importar mais caso ele me mandasse embora de casa, pois sempre que ele estava em crise e brigávamos ele me colocava pra fora de casa ou eu mesma ia embora para a casa dos meus pais. Até que numa dessas vezes eu num momento de puro ódio disse a ele que queria me divorciar e seguir a minha vida e que aquela situação não era para mim. Ele ficou arrasado. Não sei se ele estava fingindo mas tentou fazer-me voltar atrás, afinal ele nunca havia falado de divórcio. Ele dizia que casamento era só uma vez. Eu realmente estava decidida a dar um basta naquela situação, pois na igreja que eu frequentava junto com a mãe dele o suposto pastor me incentivava ao divórcio visto que ele dizia que se o meu marido arrumasse outra pessoa eu estaria livre pra deixá-lo. Naquele momento eu fui muito idiota e ouvi as palavras de satanás através da boca daquele homem que eu pensava que estava me ajudando quando na verdade ele estava mais perdido do que eu. E quando eu dizia: “Mas pastor, divórcio não é pecado? Pois a Bíblia diz que Deus odeia o divórcio!” Ele me dizia que Deus queria “o melhor para mim”. Fiquei confusa e, mesmo querendo divorciar, no fundo eu sentia uma profunda tristeza. Na verdade, eu amava meu esposo e ele tentava cuidar de mim, sempre que podia me dava carinho, atenção e amor, nunca deixou me faltar nada e líamos a Bíblia juntos, porém não a colocávamos em prática. Ele tentava me dar uma vida tranquila e quis fazer tudo certo tanto que ele quis casar para fazer tudo certinho mas infelizmente ele não decidia mudar, pois não tínhamos Deus no centro do nosso relacionamento e não conhecíamos ao SENHOR verdadeiramente. Se eu não tivesse errado tanto meu casamento não teria chegado àquela situação. Na verdade, nós dois cometemos inúmeros erros em um curto espaço de tempo. Naquela altura eu não sabia nada sobre traição da parte dele etc. Ele dizia que nunca havia me traído então minhas brigas mesmo eram por conta das drogas. Na verdade eu não tinha ciúmes dele. Eu saí de casa e ele, como sempre fazia, foi atrás de mim e tentou me levar de volta para casa, mas meu pai discutiu com ele e eu não quis ir aquele dia pensando que meu pai tinha razão. Então, ele falou comigo através de mensagens no Facebook e eu disse a ele que voltaria mas não naquele momento. Ele insistiu por mais algumas vezes mas como eu não voltava ele parou de insistir. Dias depois eu quis voltar, daí ele disse que eu não precisava voltar mais. Eu, com raiva dele, disse que eu queria o divórcio mesmo, então fomos ao cartório. Chegando lá eu desisti do divórcio pois senti um imenso incômodo de estar ali tratando daquele assunto. Eu só queria chorar, mas me segurei para parecer forte. Na verdade eu no fundo sabia que o que eu estava fazendo era errado. Deus estava me impedindo de cometer aquele grande erro. Eu naquela hora decidi não mais pedir o divórcio e decidi que não assinaria nada. Lucas então disse que agora quem queria o divórcio era ele e que ele iria atrás. Eu disse a ele que fizesse o que achasse melhor pois eu não ia assinar nada e não ia dar divórcio nenhum a ele. E assim saímos do cartório e fomos embora. Imagino que meu deserto de fato começou a partir daquele momento. Lucas se tornou um homem frio comigo. Me tratava muito mal e começou a me acusar de ter destruído nosso casamento. Ele mandava eu seguir a minha vida porque ele seguiria a dele. Fui atrás dele algumas vezes para pedir perdão pelas minhas atitudes, mas ele estava irredutível. Passei por inúmeros momentos constrangedores, os quais eu não passaria se tivesse tido sabedoria. As vezes eu até parava de procurá-lo pois eu já estava trabalhando e tinha dias que eu estava tão cansada que acabava deixando ele de lado, apesar de eu estar sofrendo muito. Passados alguns dias, eu comecei a sentir falta dele, dos nossos poucos momentos bons juntos. Eu sentia como se uma espada atravessasse meu coração todas as noites, principalmente, pois era o momento em que eu mais sofria. Eu chorava bastante, pois chegavam notícias dele em festas, com mulheres e tantos outros comentários, mas que de fato eu não sabia se eram comentários verdadeiros. Chorava escondida e na maioria das vezes o choro era movido por raiva. Sentia muita raiva dele. Eu tentava tirar satisfações com ele e inclusive cheguei a discutir com mulher por causa dele, coisa que eu nunca imaginei fazer. Uma delas conseguiu meu número e ligava para me humilhar ou contar inúmeras coisas, tudo isso com o intuito de me fazer brigar com ele para que assim eu deixasse ele livre para ela, isso eu só fui perceber depois. Enfim, foram inúmeras situações, confusões, brigas... Nesse período meu irmão faleceu por possível erro médico e praticamente um mês depois o irmão do meu esposo faleceu também, pois ele tinha câncer. Isso mexeu bastante comigo e com ele. Eu comecei a ficar mais calma, pois as perdas me deixaram profundamente triste. Daí Lucas foi se aproximando novamente, mas sempre brigávamos, agora não mais somente por causa das drogas mas também por causa de outras mulheres. Eu ficava profundamente chateada por ele demostrar querer nosso casamento de volta, pois chegou a conversar comigo algumas vezes sobre isso, e ao mesmo tempo aparentemente estar com outras mulheres. Cheguei a presenciar ele acompanhado com uma ou outra volta e meia, mas ele sempre negava e dava uma desculpa para a cena. Eu fiquei completamente perdida nesse meio tempo, pois não sabia se o que ele estava falando era verdade ou não. Tentava resolver as coisas com as minhas próprias mãos. Eu pensava em tudo, menos em me colocar diante de Deus e buscar restauração para mim e para minha família. Eu não tinha sabedoria para nada e só sabia chorar e culpá-lo por tudo. Na minha cabeça, meu esposo era culpado por tudo que eu estava passando. Eu sempre me via como a vítima da historia.

No ano de 2018 eu resolvi prestar outro concurso e sair do órgão público em que eu estava trabalhando, mesmo sendo efetiva, e assim fiz. Estudei e larguei o Lucas de lado, pensei em ir embora da cidade para fugir da vergonha em que eu havia me colocado. Estudei, me dediquei e com a graça do Senhor Jesus eu fui aprovada e mudei de órgão público. Logo após eu ser empossada Lucas se aproximou de mim novamente e disse que queria voltar comigo. Nesse período nós já havíamos ido a uma audiência em 2017 que foi a primeira e única audiência que fui após Lucas haver dado entrada no divórcio. Lucas se manteve calado e pensativo o tempo todo e o advogado dele disse que eu poderia ficar com tudo desde que eu assinasse o divórcio. Eu disse que não assinaria nada. Eu não assinei e abri mão dos poucos bens que nós tínhamos adquirido após o casamento, pois os bens que nós tínhamos antes do casamento não estavam arrolados no processo, e deixei tudo com ele como forma de protesto para ele ver que não era uma questão financeira, mas ele fez questão de deixar nosso animal de estimação comigo. Eu nem me importei com o que foi falado no fórum, eu só disse que não ia assinar nada pois aquilo não agradava a Deus e que queria me retirar da sala o mais rápido possível. Na audiência disseram que a juíza, que não estava presente na mesma sala, iria assinar se eu não assinasse e quem estava nos atendendo no momento era uma outra pessoa, creio que era uma analista jurídico. Eu não me importei, pois se a juíza quisesse assinar, que assinasse. Eu além de não querer carregar mais culpa também não assinei por querer obedecer a Deus, já que Ele abomina o divórcio, pois Deus teve misericórdia de mim e me permitiu entender aquilo. Após a audiência eu sai da sala e esqueci um documento de identificação e vi a moça me chamando pra entrega-lo a mim e Lucas vinha com ela falando algo para ela. Pelo que entendi ele mesmo queria entregar o documento. Quando recebi o documento de identificação das mãos dela ele perguntou algo do tipo: “Quer voltar comigo?” Naquele momento eu percebi vagamente que ele não tinha certeza do que estava fazendo e que talvez tivesse feito aquilo de ir atrás de divórcio somente pra me provocar. Eu lembro de ter virado as costas e ido embora. Hoje entendo porém que tudo é permissão do SENHOR. O tempo foi passando, me afastei dele e, apesar das dificuldades, fui tentando seguir os meus compromissos, estudando e trabalhando. Quando Lucas novamente me procurou e disse que queria voltar comigo em 2019 eu aceitei e daí passamos a ficar juntos, porém ele estava até pior do que era antes. Mesmo que na minha cabeça eu imaginasse que ele estivesse mudado. Ficamos um tempo em paz, depois os problemas começaram novamente em grande proporção. Eu me sentia pior do que antes. Lucas não estava arrependido de verdade. Queria apenas se divertir comigo e talvez tenha voltado apenas por saudade, essa foi a conclusão a que eu cheguei. Nesse período a Cristiane começou a me acompanhar, quando o Lucas havia pedido para voltar e eu sem sabedoria aceitei que ele voltasse. Eu conheci o Ministério Atalaia através da internet. Creio que o YouTube começou a me recomendar os vídeos (através dos algoritmos do YouTube, que vê assuntos dos quais pesquisamos com mais frequência e por isso também é importante curtirmos e compartilharmos os vídeos do canal para que outras pessoas possam ser alcançadas pela Palavra do SENHOR). Não lembro exatamente desses detalhes mas sei que Deus me conduziu a encontrá-lo. Deus, com a Sua infinita misericórdia, me permitiu chegar até este Ministério e me conduziu com este propósito. Eu já havia assistido rapidamente a alguns vídeos de outros canais de restauração e quanto mais assistia mais confusa eu ficava quanto ao que fazer para ter meu casamento restaurado. Meu primeiro contato com o pastor Henrique foi quando ele me ligou após eu ter pegado o número do Ministério e ter ligado. Quem me atendeu pediu para eu aguardar que o pastor retornaria. De fato ele retornou depois. Não lembro quanto tempo durou até ele me retornar, pois eu estava extremamente ansiosa naquele período. Quando falei com ele, ele me fez alguns questionamentos e eu ia respondendo. Então eu passei a ser acompanhada pela Cristiane tempos depois. Não posso esquecer de dizer que me foi recomendado assistir 10 vídeos do canal para eu ter plena certeza se realmente eu queria lutar pela restauração e obedecer ao SENHOR verdadeiramente, afinal o primeiro casamento é ate que a morte separe. E assim eu fiz. Eu dizia para a Cristiane tudo que eu estava passando e expliquei que eu havia voltado com o meu marido mas não estávamos tão bem pois ele sumia as vezes e mesmo que eu tentasse não brigar com ele em alguns momentos eu me irritava bastante, fora outros problemas. Pouquíssimas vezes ficávamos bem de fato e eu fui observar isso só depois. Ela me dizia que eu não poderia colocá-lo para fora de casa se ele não estivesse em adultério e sempre me dizia como tratá-lo em relação as drogas. Fui seguindo as orientações dela até que um dia eu o encontrei na rua com uma moça, ela estava sentada na moto atrás dele e estava abraçada a ele. Nos encontramos por acaso, próximo ao semáforo. Ele me olhou, ficou surpreso e disse “oi”, deu o retorno e voltou. Na hora eu não respondi nada, fiquei em estado de choque. Pensei que eu estava tendo alucinações e imediatamente após a minha ficha cair de que ele estava acompanhado de outra pessoa, andei de moto pela cidade atrás dele para ver se eu os encontrava para ter certeza de que ele estava com outra mulher. Não os encontrei. Foi difícil digerir aquela cena. Afinal eu não esperava por isso mais. Após relatar o ocorrido para a Cristiane, ela me orientou que eu não brigasse, que mantivesse a calma e me disse que se ele de fato quisesse sair de casa eu deveria deixar ele sair, mas que eu poderia perguntar a ele o que estava acontecendo e que eu não poderia colocá-lo para fora de casa caso eu não tivesse certeza do adultério, nem antes de conversar para entender o que estava acontecendo pois satanás é especialista em nos confundir. Eu não consegui mais falar com ele e não obtive resposta após um SMS que enviei a ele dizendo que precisávamos conversar. Ele tirou as poucas coisas que ele tinha em casa e saiu sem eu estar lá, pois ele tinha a chave de casa também e era uma casa que alugamos um pouco depois de voltarmos em 2019, e isso confirmou o fato de que ele não queria falar comigo. Quando eu vi que ele havia levado as coisas não fui atrás pois a Cristiane me disse que meu casamento seria restaurado e que aquilo que aconteceu em 2019 tinha sido apenas uma volta e que agora que eu tinha consciência disso deveria lutar de acordo com as orientações do Ministério. Ela me disse que eu não poderia permitir o retorno dele pra casa enquanto ele não estivesse arrependido de fato. Pediu para que eu orasse e entregasse meu casamento nas mãos do SENHOR e que eu não deveria ser desobediente senão eu não teria acompanhamento do Ministério. Também me orientou a continuar a assistir aos cultos e aos ensinamentos e algo muito importante foi que ela me disse que eu deveria aproveitar o tempo que tinha para buscar mais ao SENHOR e ler e meditar na Sua Palavra e principalmente colocar a Palavra em prática. E fui seguindo as suas orientações. Nos primeiros dias eu senti vontade de procurá-lo e ficava pensando no porque ele teria motivos para andar com outra pessoa sendo que depois de tanto tempo nós estávamos juntos de fato novamente e eu sempre conversava com ele sobre não dar carona para mulheres ou ser solícito demais. Ele sempre foi comunicativo e popular e eu não gostava da forma como ele agia algumas vezes. Mas eu lembrava das palavras da Cristiane e via nos cultos e nas lives de quinta feira o pastor Henrique dizer que ele não tinha tempo a perder com ovelha desobediente, então eu me segurava para não ir atrás do meu marido. O tempo foi passando e ele sumiu. Fui orientada a excluir o número dele e bloquear ele em tudo e assim eu fiz. Caros irmãos, parece simples abrir mão de ter contato com nossos cônjuges, mas não é. Principalmente o contato físico. É uma luta diária. Porém, quando decidimos obedecer ao SENHOR Ele nos sustenta e nos da forças para superarmos os nossos obstáculos. O pastor Henrique sempre nos diz que isso é o manar do SENHOR nas nossas vidas e que nós precisamos ser restaurados primeiro e depois será restaurado o nosso casamento. Ele diz que devemos nos converter e orar por nós, buscar por nós que assim nossos cônjuges serão alcançados automaticamente, pois marido e esposa são uma só carne. Nesse período eu comecei a ter problemas no trabalho e para ficar em paz, com as orientações do Ministério, resolvi que seria melhor mudar de local de trabalho e assim fiz. Comecei a ir trabalhar na capital do Estado e ia e voltava para casa a cada serviço. Aliás, ainda estou trabalhando desta maneira, mas não durmo fora de casa, pois a cada serviço eu vou e retorno no mesmo dia, mesmo sendo um pouco cansativo, mas sabendo que assim vivo em paz e faço a vontade do Senhor Jesus. Nesse meio tempo meu esposo começou a me procurar novamente e eu contei para a Cristiane. Eu não atendia as ligações dele pois, como ela não tinha me autorizado a falar com ele, eu tinha receio de desobedecer e deixava ele sem ser atendido. Eu não tinha o número dele salvo mas sabia que era ele pois eu havia decorado o número, já que era bem fácil de decorar. Eu uso dois contatos e ele tentava ligar para os dois. Quando via a ligação dele eu ficava muito nervosa algumas vezes, com receio dele tentar me enganar. Ele tambem costuma usar dois contatos. Então a Cristiane me disse que eu poderia atender e ser breve e perguntar o que ele queria, visto também que ele já havia mandado SMS no celular, falando sobre nós dois, pedindo para tentarmos um novo começo. Porém, eu não respondia nenhum SMS dele. Eu confesso que fiquei incomodada e não sentia mais vontade de falar com ele, porém ela me disse que meu esposo estando arrependido eu deveria falar com ele e deveríamos marcar para conversarmos pessoalmente e em um local público caso ele de fato demonstrasse arrependimento e dissesse que estava arrependido e que queria a família dele de volta e que eu deveria ser obediente a Deus quanto a restauração sendo que é plano e vontade do Senhor a restauração do nosso casamento. E assim eu fiz. Atendi a ligação e perguntei o que ele queria. Ele disse que queria saber como eu estava e se nós poderíamos conversar e eu disse que antes de conversarmos eu queria saber do que se tratava o assunto da conversa. Ele me disse que já estava tentando falar comigo há um tempo mas não conseguia e que ele estava pensando em tudo que havia feito e que não estava feliz com a vida que estava tendo. Eu fiquei ouvindo. Porém ele começou a mudar de assunto e fazer inúmeras perguntas e isso me incomodou profundamente fazendo com que eu me irritasse e disse a ele que quando ele tivesse algo de importante para falar sobre nós e quisesse me dizer com mais clareza do que se tratava eu poderia falar com ele e assim ouvir o que ele tinha a dizer e que assim nós iríamos marcar para conversar. Ele concordou e eu desliguei. Os dias se passaram e ele começou a me oferecer ajuda, perguntar se eu precisava de algo, começou a se aproximar dos meus pais e parentes e eu orientada pela Cristiane recusava tudo e era firme com ele nas minhas palavras e breve ao telefone. Algumas ligações eu nem atendia mais. Ele passou uns dias sem me procurar, até que um dia ele ligou e disse que o momento de marcarmos a nossa conversa havia chegado e que ele precisava me dizer o que estava sentindo, precisava saber se eu estava com alguém e se eu queria voltar com ele para consertarmos os erros que cometemos no passado e disse que estava arrependido do que havia feito e que estava cansado da vida que estava levando. Disse que estava cuidando da saúde dele e que entendia o fato de eu nunca haver procurado por ele nem pedir nada dele pois ele havia me abandonado e se afastado de mim. Disse que ele passou a observar que eu estava diferente e que ele nunca deveria ter tido aquelas atitudes. Disse que tinha muita coisa para me explicar e que me entendia caso eu não quisesse mais falar com ele. Então ficou acertado de marcarmos um dia para conversarmos pessoalmente, pois ele trabalha e eu também e nossos horários são bem corridos. Ele disse que não queria que a nossa conversa fosse marcada para muito longe pois ele queria resolver as coisas logo e colocar tudo no seu devido lugar. Porém, ele ficou sem entrar em contato comigo logo depois desses dias e eu fiquei sem entender nada, pois achei estranho ele sumir assim novamente. A Cristiane me disse que existe uma luta espiritual e que se Deus permitiu isso era porque ainda não era o momento de nós conversarmos pessoalmente, mas que o momento certo chegaria e que eu deveria continuar olhando para Deus e confiar no SENHOR. E com a ajuda de Deus eu continuei aguardando e não fui atrás dele para saber o que estava acontecendo. Entreguei nas mãos do Senhor.

É como diz uma certa canção: “Mesmo na tribulação, posso não ver Sua mão. Sei que posso confiar, em Deus eu posso descansar. Mesmo vendo tudo se acabar, sei que nada vai me faltar. Lá do alto vem a provisão, o meu milagre está em Suas mãos. Olharei pro alto de onde vem socorro e é firme na Rocha que eu terei vitória. Olharei pro céu de onde vem a bênção, terei um testemunho e contarei ao mundo que Tu és Meu Deus! Quando a minha força se esgotar e tudo em mim desmoronar, então olharei pra Ti e confiarei em Teu amor. E quando o vento então soprar eu sei que em Ti vou me firmar, então confiarei em ti e na promessa que fez a mim.”

Algum tempo se passou e meu esposo voltou a me procurar. Ele disse que estava com alguns problemas e não estava conseguindo falar comigo também por conta das operadoras de telefonia (ele já havia ido atrás de mim várias vezes, mas nunca dava certo dele me encontrar e Deus conduzia dessa forma, pois tudo é de acordo com a vontade dele). Em alguns momentos eu ficava pensando o porquê de as coisas demorarem e quando a ansiedade vinha eu falava com a Cristiane e ela me dizia para permanecer firme e confiar no SENHOR porque tudo é no tempo dele. Realmente eu sabia que a operadora estava com esse problema, pois até mesmo outras pessoas reclamavam sobre isso e eu quase não conseguia fazer ligações ou receber chamadas, inclusive da Cristiane, mas eu sempre relatava a ela o que estava acontecendo e pedia desculpas pelo problema da telefonia no meu estado. É importante informar isso pois as ligações de toda semana também são muito importantes. Então, ao me procurar, ele me disse que queria conversar comigo e que eu poderia escolher o lugar etc. Eu entrei em contato até conseguir falar com a Cristiane para saber se eu poderia ir conversar com ele e ela disse que sim, desde que fosse fora das nossas casas e em um lugar público, e que o pastor Henrique estaria orando por nós. Marcamos o horário e eu fui. Lembro que eu estava bastante cansada, mas fui e percebi que ele também estava cansado. Como eu disse, nós trabalhamos então era difícil acharmos um momento oportuno para marcar essa conversa, mas Deus estava no controle da situação. Fomos a uma pracinha, um pouco próximo da casa dos meus pais. Ficamos a vontade, pois não tinha barulho e tudo estava calmo. Meu esposo estava ansioso e não me deixava falar. Eu estava mais tranquila mas queria relatar a ele com precisão aquilo que eu achava mais importante para que pudéssemos reatar o nosso casamento. Ele disse inúmeras coisas, inclusive sobre o problema de fertilidade dele que ele descobriu e que estava com um problema de saúde também. Me disse estar arrependido das coisas que fez e que ele não estava bem. Disse que havia descoberto que eu era a única esposa que ele tinha e que teria e perguntou se eu havia ido atrás de algo relacionado a audiência do divórcio que tivemos e eu disse que não, que do jeito que havia ficado, estava e ele disse que também não foi atrás de mais nada desde aquela audiência. Mas ele também disse que isso não importava e que a esposa dele era eu. Percebi que ele estava inseguro, pois me perguntava se eu era esposa dele ou ex-esposa, para que eu falasse algo que trouxesse conforto a ele. Lembro que ele dizia desde que começou a me procurar antes que se eu não quisesse voltar pra ele tudo bem, que ele iria me entender e várias vezes me perguntou se eu tinha alguém.

Na nossa conversa falamos sobre diversos assuntos, os quais não vou enumerar aqui pois seria muita coisa, mas naquele momento não senti segurança pois ele disse que estava se organizando e que iríamos nos organizar aos poucos, então percebi que ainda não era o momento de retornar para casa. Até porque ele não falou sobre voltar pra casa. Então ele me perguntou o que ele teria que fazer pra que eu acreditasse nele e eu disse que ele tinha que tomar uma atitude sobre o que realmente queria e me mostrar estar decidido, pois assim nós marcaríamos outra conversa e acertaríamos o que faltava acertar. Nessa conversa ele me ofereceu dinheiro e eu disse que não precisava, mas como ele continuou insistindo eu pedi permissão ao pastor e o pastor me autorizou a aceitar (lembrando que cada caso é um caso, por isso é importante pedir permissão ao pastor antes para não cair em desobediência). E após essa conversa voltei para casa e ele para a casa dos pais dele. Passados mais alguns dias ele voltou a me procurar e eu disse a ele que eu aceitaria o dinheiro e ele disse “tudo bem”. Ficamos acertando sobre a questão do dinheiro e ele em um momento me perguntou em qual dia tínhamos casado e eu respondi então ele exclamou: “São tantos anos em que eu perdi meu tempo, podendo estar bem”. Eu não havia entendido direito mas ele explicou que esses anos todos ele poderia estar vivendo bem ao meu lado e pediu que eu relevasse todo o erro que ele havia cometido pois naquele tempo ele não tinha entendimento sobre a importância do casamento e sabe que me fez sofrer bastante mas não queria mais falar sobre o passado pois isso só me faria mal e me traria mágoa e dor. Ele disse também que quando casamos ele era muito jovem e inclusive eu também era e me elogiou por apesar dos problemas eu ter sido uma pessoa boa para ele mesmo ele não merecendo. Eu ouvi tudo e disse que estava tudo bem e que eu não falaria mais do passado, mas que ele teria que fazer o que eu disse: se decidir e organizar as coisas para que pudéssemos sentar novamente para conversar. Ele me disse que era justamente isso que ele estava fazendo e que estava “colocando a casa em ordem” e organizando tudo, mesmo que eu não quisesse mais nada com ele. Ele pareceu estar mais alegre e até cantou uma musiquinha onde dizia que quem tem Jesus tem tudo, mesmo quando as coisas não vão bem. Detalhe é que após o pastor ensinar sobre a esposa ganhar o marido em silêncio, eu passei a não falar mais nada de Jesus para ele quando ele disse estar arrependido ao voltar a me procurar. Ele fazia alguns comentários sobre Deus e Jesus mas eu apenas escutava.

Em 1 Pedro 3:1-2 diz: Da mesma maneira, esposas, cada uma de vós, seja submissa a vosso próprio marido, com o propósito de que, se alguns deles ainda são contra a Palavra, sejam convertidos sem admoestações, mas pelo procedimento de sua esposa, testemunhando a vossa maneira de ser honesta e respeitosa. Bíblia King James Atualizada.

Hoje, dia 14 de dezembro de 2021, uns 7 meses após o meu marido dizer que estava arrependido e começar o processo de busca para que pudéssemos reatar, estou concluindo o meu testemunho de restauração. Após algum tempo, conversamos novamente sobre alguns assuntos que ainda faltavam. Marcamos de nos encontrarmos e falamos sobre redes sociais, telefone etc. Entramos em concordância sobre como agiríamos após nossa ida para a mesma casa, mas nada ficou decidido sobre qual casa iríamos morar. Após a nossa separação, Lucas continuou morando no lugar onde morávamos após o casamento, que é um dos apartamentos cedidos pelos pais dele, onde os pais dividiram um para cada irmão, praticamente. Eu já havia morado com ele nesse local. O tempo passou e começamos a falar sobre a obra da nossa casa nova que já tínhamos antes dele sair de casa pela última vez e após o arrependimento dele ele demonstra querer terminar a obra da casa. Como ele não tinha dinheiro para alugar uma casa para nós e estava recebendo ajuda dos pais pois a questão financeira dele estava difícil, ele me pediu um prazo para providenciar um lugar para morarmos. Ele até me perguntou se eu tinha alguma ideia do que poderíamos fazer e eu disse que não tinha naquele momento. Conversei com a Cristiane e ela me orientou a aceitar ir para o apartamento caso ele me chamasse e fosse da vontade dele também. Mas no passado eu sempre dizia pra ele que não gostava de estar naquele lugar então ele imaginava talvez que eu não fosse querer ficar lá. Estávamos falando sobre a obra da nossa casa e então eu disse a ele que aceitaria ir para o apartamento e ele disse que tudo bem e que ele só precisava se organizar por lá pois estava bem bagunçado. Nesse sábado, dia 12, foi quando conversamos e marcamos de ir ver a obra da nossa casa no domingo e assim fizemos. No domingo a tarde saímos e olhamos a obra e depois voltamos para casa pois a obra fica num distrito aqui da cidade. A noite ele quis que eu fosse olhar uma janela que ele quer levar para lá por esses dias e eu fui. Conversamos e ele quis que eu ficasse no apartamento com ele. Aceitei, pois já havia conversado sobre isso com a Cristiane e estava apenas aguardando ele me chamar. A nossa intenção é tentarmos agilizar a obra da casa o máximo possível e enquanto isso vamos ficar juntos no apartamento onde ele está. Como nós dois trabalhamos e passamos o dia fora de casa, praticamente nos encontramos a noite. Lucas disse que no começo do ano irá cuidar da obra da casa e está bastante empolgado para fazer o possível para terminar a construção.

Concluindo, confesso que o medo de errar as vezes ronda a minha mente. É tudo novo de novo e levaremos um tempo para ajustarmos muitas coisas. Suplico a Deus que me dê sabedoria em todos os momentos. Sei que não sou merecedora de nada, mas o Senhor com a Sua infinita misericórdia fez e continuará fazendo o milagre cotidiano no meu casamento, transformado a água em vinho. Se for da vontade do Senhor, daqui há um tempo espero estar aqui novamente para testemunhar muitas outras bênçãos. Lucas foi diagnosticado com problema de fertilidade e para termos um filho será um milagre do Senhor, mas para Deus tudo é possível.

Quero dizer aqui que existem muitos momentos de dor nesse deserto e mesmo depois de alcançarmos a restauração ainda temos inúmeras dificuldades. Se não for o Senhor para nos dar paz e nos trazer tranquilidade nada conseguimos fazer. Somos totalmente dependentes de Deus. Nos últimos dias fiquei um pouco ansiosa, sendo que a Cristiane até teve que orar comigo ao telefone para que eu pudesse ficar em paz e entregar minha ansiedade nas mãos do Senhor. Depois que tive problemas no trabalho desenvolvi essa ansiedade repentina, mas creio na cura que vem de Deus.

Quero deixar aqui o meu agradecimento ao pastor Henrique Lino e a Cristiane por toda paciência e amor com que cuidam de nós. Quero agradecer também a Cléia que com toda a paciência repassava meus recados e me ajudava no que fosse preciso. Que Deus abençoe grandemente a cada um de vocês!

Quero deixar aqui a minha eterna gratidão ao SENHOR por tudo que Ele fez, faz e ainda fará!

Toda honra, toda glória e todo louvor ao único e verdadeiro Deus!

Aquele que Vive e Reina para todo o sempre! Amém!


Se você está passando por problemas na sua vida espiritual, familiar, profissional, sentimental, com filhos em situação de risco, envolvimento com drogas, ou em processo de separação, divorcio, traído(a) abandonado(a) entre em contato conosco. O Ministério Atalaia do Evangelho de Deus está a sua disposição para aconselhamento, oração, e interseção e orientação espiritual. Visitem nosso site www.atalaiadedeus.com.br - Temos como objetivo levar a Palavra de Deus. Trabalhamos voluntariamente com assistência as famílias, para restaurar casamentos e orientação espiritual a todo aquele que necessita de uma Palavra de cura, salvação e libertação. Buscamos obedecer ao chamado do Senhor, venha fazer parte desse trabalho com sua oração.

443 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page