top of page
  • Foto do escritorPr. Henrique Lino da Silva

Responsabilidades no casamento



“Ora, quanto às coisas de que me escrevestes, bom seria que o homem não tocasse em mulher; mas, por causa da prostituição, tenha cada homem sua própria mulher e cada mulher seu próprio marido. O marido pague à mulher o que lhe é devido, e do mesmo modo a mulher ao marido. A mulher não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim o marido; e também da mesma sorte o marido não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim a mulher. Não vos negueis um ao outro, senão de comum acordo por algum tempo, a fim de vos aplicardes à oração e depois vos ajuntardes outra vez, para que Satanás não vos tente pela vossa incontinência. Digo isto, porém, como que por concessão e não por mandamento. Contudo queria que todos os homens fossem como eu mesmo; mas cada um tem de Deus o seu próprio dom, um deste modo, e outro daquele. Digo, porém, aos solteiros e às viúvas, que lhes é bom se ficarem como eu. Mas, se não podem conter-se, casem-se. Porque é melhor casar do que abrasar-se. Todavia, aos casados, mando, não eu, mas o Senhor, que a mulher não se aparte do marido; se, porém, se apartar, que fique sem casar, ou se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher.” (1 Coríntios 7:1-11)

Não temos muito o que comentar sobre esse texto, pois ele está muito bem explicado, mas, para os que querem viver em desobediência sem se sentirem acusados, procuram desculpas e justificativas, vemos que aqui o apóstolo Paulo fala sobre como deve ser o casamento e como os casados devem se comportar de acordo com a vontade de Deus. Para ele, as pessoas devem ter uma compreensão maior das responsabilidades no casamento e deixarem de pensar que casamento é uma eterna felicidade, deve haver renúncias e obrigações entre os cônjuges. Observem que, de acordo com a Palavra de Deus, não podem nem mesmo se negar, ou seja, deixar de fazer sexo por qualquer desculpa. Por esse motivo, a sugestão do apóstolo Paulo é de que, se a pessoa consegue viver sem estar constantemente abrasado, só pensando em sexo, é melhor ficar sem casar. Mas, em se casando, temos que observar que ele dá um mandamento não da parte dele, mas de Deus, como ele faz questão de frisar, que não se separem, e se por algum motivo se afastarem, que voltem a se reconciliar, pois não podemos esquecer que, quando se casam, Deus os transforma em uma só pessoa, uma só carne, portanto, ninguém consegue separar o que Deus uniu, o único que separa é Deus, matando um dos dois, aí o(a) viúvo(a) pode casar de novo, ou não.

“Mas aos outros digo eu, não o Senhor: Se algum irmão tem mulher incrédula, e ela consente em habitar com ele, não se separe dela. E se alguma mulher tem marido incrédulo, e ele consente em habitar com ela, não se separe dele. Porque o marido incrédulo é santificado pela mulher, e a mulher incrédula é santificada pelo marido crente; de outro modo, os vossos filhos seriam imundos; mas agora são santos. Mas, se o incrédulo se apartar, aparte-se; porque neste caso o irmão, ou a irmã, não está sujeito à servidão; pois Deus nos chamou em paz. Pois, como sabes tu, ó mulher, se salvarás teu marido? ou, como sabes tu, ó marido, se salvarás tua mulher? Somente ande cada um como o Senhor lhe repartiu, cada um como Deus o chamou. E é isso o que ordeno em todas as igrejas.” (1 Coríntios 7:12-17). Agora, para entendermos o texto seguinte, devemos observar que o apóstolo Paulo inicia aqui falando para os outros, ou seja, para os que não são casados de fato e de direito. São pessoas que moram juntos, convivem como se casados fossem, e de acordo com a Palavra de Deus, estão em fornicação. São os popularmente conhecidos como amigados, ajuntados, outros falam de namoridos, e outros termos mundanos, mas para o Senhor são pessoas que estão em um relacionamento ilegal. Por falta de um termo, de uma palavra melhor, essas pessoas gostam muitas vezes de se referir aos seus relacionamentos como casados, o que não é verdade; elas se referem ao outro como esposo, esposa, sem de fato o serem. Neste caso, Paulo dá um conselho, uma sugestão, e faz questão de dizer que isso é ele e não o Senhor. Diz que se um deles se converter ao Senhor, não deve se separar, como alguns pregadores mandam, mas sim que eles legalizem o relacionamento; se forem ambos solteiros, que se casem. Mas se o(a) outro(a) não quiser casar e preferir se separar, que se separe sem problemas, pois, como não eram casados, podem se separar. Mesmo que tenham filhos, se não forem casados, podem se separar, pois na verdade estão em pecado de fornicação, para esse tipo de relacionamento, se ambos forem solteiros, ou se casem ou se separem. “Foi chamado alguém, estando circuncidado? permaneça assim. Foi alguém chamado na incircuncisão? não se circuncide. A circuncisão nada é, e também a incircuncisão nada é, mas sim a observância dos mandamentos de Deus. Cada um fique no estado em que foi chamado. Foste chamado sendo escravo? não te dê cuidado; mas se ainda podes tornar-te livre, aproveita a oportunidade. Pois aquele que foi chamado no Senhor, mesmo sendo escravo, é um liberto do Senhor; e assim também o que foi chamado sendo livre, escravo é de Cristo. Fostes comprados por bom preço; não vos façais servos dos homens. Irmãos, cada um fique diante de Deus no estado em que foi chamado.” (1 Coríntios 7:18-24).

Leiam e pratiquem a Bíblia. Que Deus os abençoe.

Um abraço,

Pr. Henrique Lino


18 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page