top of page
  • Foto do escritorPr. Henrique Lino da Silva

É lícito repudiar?



“Levantando-se Jesus, partiu dali para os termos da Judéia, e para além do Jordão; e de novo as multidões se reuniram em torno Dele; e tornou a ensiná-las, como tinha por costume. Então se aproximaram Dele alguns fariseus e, para o experimentarem, lhe perguntaram: É lícito ao homem repudiar sua mulher?” (Marcos 10:1-2)

Jesus foi para o lado da Judéia, passou o Rio Jordão e, como sempre, as pessoas, as multidões o cercaram. Faço questão sempre de lembrar que nem sempre as pessoas o procuravam, o cercavam, amontoavam ao seu redor com a intenção de ouvir o seu ensino. Na verdade, a maioria estava ali em busca de um milagre, uma cura, uma libertação, ou querendo se alimentar, por saber que Ele tinha multiplicado pães e peixes e alimentado uma multidão; além, é claro, dos que o buscavam para armar ciladas, querendo incriminá-lo de alguma coisa. Queriam acusá-lo, condená-lo, executá-lo, queriam vê-lo morto, e Ele sabia disso. Por isto sempre vinham até Ele com perguntas de aparente inocência, ou de sabedoria, mas o objetivo era fazê-lo entrar em contradição com a lei de Moisés ou contra o governo de César, que dominava sobre todos eles. Mas todas as vezes em que as pessoas se juntavam diante Dele, imediatamente Ele começava a pregar o seu Evangelho, começava a ensinar, falar de comportamento cristão, como os filhos de Deus têm que viver, falava de salvação, de vida. As pessoas daquela época se comportavam exatamente como elas se comportam hoje, porque são muitos os que buscam uma denominação procurando prosperidade, alguma solução de problema material. Vão em busca de uma cura, de um emprego, de dinheiro para pagar dívidas, para comprar algo, ou em busca de felicidade, e muito poucos vão em busca de Jesus, poucos realmente querem ouvir a sua Palavra. Muitas pessoas vão a templos em busca de emoção, querem ouvir os que as fazem chorar. Segundo elas dizem, querem se sentir vivas, querem ouvir música que as faça ficar bem, querem cumprir atos ritualísticos. A maioria que está lotando os templos não lê a Bíblia, e, portanto, não conhece Cristo. Sabem somente o que os pregadores falam, que nem sempre é a verdade, porque eles pregam o que serve para agradar as pessoas e as manter em seus templos, fidelizadas. Eles não estão preocupados com as suas almas.

“Ele, porém, respondeu-lhes: Que vos ordenou Moisés? Replicaram eles: Moisés permitiu escrever carta de divórcio, e repudiar a mulher.” (Marcos 10:3-4). Agora quando os fariseus vêm testar Jesus, querem mais uma vez armar uma cilada contra Ele com essa pergunta capciosa, uma vez que eles sabiam a resposta, mas queriam ver Jesus entrar em choque com Moisés, entrar em contradições. Perguntam a Jesus se é normal, se o homem pode se separar, divorciar, abandonar a sua esposa por qualquer motivo. Vemos que é uma pergunta cruel, esdrúxula e totalmente, radicalmente, contrária à Palavra de Deus. Então Jesus responde devolvendo a pergunta para eles: uma vez que eles eram religiosos e conhecedores da lei de Moisés, então que eles lhe respondessem o que Moisés tinha ensinado, tinha deixado escrito. Então eles dizem que Moisés permitiu, ou seja, autorizou, mas não mandou. Devemos observar que falamos de Moisés, e não de Deus. Também serve para entendermos que contraria o que muitos afirmam de que não existia casamento legal, como em cartório; temos de compreender que carta de divórcio é um documento que anula o outro, ou seja, a certidão casamento. Bom, pelo menos em tese deveria anular, mas para Deus nada anula um casamento, a não ser a morte. Jesus vai explicar que essa autorização de Moisés, e não de Deus, foi uma ação humana, pois aconteceu por causa da dureza dos corações deles, uma vez que eles não conseguiam perdoar qualquer erro da esposa. Então Jesus os remete ao início da Criação, mostra que Deus criou o ser humano para que o homem se unisse a uma mulher, e só se separariam com a morte. Assim continua, o casamento é vitalício, ninguém pode se separar por nenhum motivo, quem os separa é o Senhor, através da morte. “Disse-lhes Jesus: Pela dureza dos vossos corações ele vos deixou escrito esse mandamento. Mas desde o princípio da Criação, Deus os fez homem e mulher. Por isso deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á à sua mulher, e serão os dois uma só carne; assim já não são mais dois, mas uma só carne. Porquanto o que Deus ajuntou, não o separe o homem.” (Marcos 10:5-9).

Leiam e pratiquem a Bíblia. Que Deus os abençoe.

Um abraço,

Pr. Henrique Lino


13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Commentaires


bottom of page